Dica de Leitura | Inferno

Uma boate gay chamada Inferno, com um dono lindo como o próprio demônio e chamado Dante. O cenário seria perfeito para um policial enrustido como Zack Stewart sair de vez do armário... Se Inferno não fosse a cena do homicídio que está investigando e Dante seu principal suspeito. Curiosos? Então você precisa ler esse romance LGBT de Scarlet Blackwell.



SINOPSE

“No Inferno, a paixão queima mais quente que o inferno ...”

Após o assassinato de um notório garoto de programa, na boate gay relativamente nova, Inferno, o policial Zack Stewart e sua parceira Claire Keaton são apresentados a uma série de suspeitos, todos com ligações com o homem morto.


O principal suspeito de Zack é o arrogante dono da boate, Dante Jardine, um homem não tão fácil de desvendar e ainda mais difícil de definir. Logo, os policiais estão afundados nos corpos e as prioridades de Zack se tornam mais confusas quanto mais tempo fica perto de Dante.


Quando suas vidas profissional e pessoal começam a se fundir, Zack se encontra trilhando um caminho perigoso entre ser um bom policial e ceder ao seu desejo crescente.


A HISTÓRIA

A narrativa de “Inferno” se passa em Moonlight Cove, uma cidade fictícia no interior dos Estados Unidos. Em Moonlight Cove existe somente uma boate gay realmente interessante, que se torna ponto de encontro da comunidade LGBT, tanto para diversão, quanto para sexo, inclusive o indiscriminado. O livro não faz apologia ao sexo sem proteção, ao contrário. Mas a boate tem um “quarto escuro”, onde as pessoas podem praticar o ato sem saber quem é o parceiro.


Parece ruim, correto? Mas esse não é o foco da história. A narrativa tem como foco Zack Stewart, um investigador extremamente profissional, pragmático, com um currículo impecável e que está enfiado tão fundo no armário que vai para cidades vizinhas quando precisa “aliviar a tensão”, se é que me entendem. Tudo isso para não correr o risco de ser visto e de saberem que é gay.


Na outra ponta do romance, temos Dante Jardine, ex-policial que abandonou a força quando seu parceiro e grande amigo foi morto em uma emboscada. Na época, além do trauma da perda, Dante teve que lidar com falsas acusações de que ter sido o responsável pela morte do parceiro. Quando, finalmente, foi inocentado, deixou a polícia sem nenhuma mancha em seu currículo, porém determinado a nunca mais fazer parte da instituição. Dante resolve abrir a boate gay Inferno como novo empreendimento. O nome foi escolhido por causa da Divina Comédia, referência direta ao Inferno de Dante Alighieri. E, realmente, é um inferninho, viu! O que tem de homem bonito é até pecado!



Tudo ia bem na vida de Zack, enrustido, e de Dante, empresário frio que não liga a mínima para o que ninguém pensa a seu respeito, até que um jovem é assassinado na saída de emergência na boate, enforcado com sua própria roupa íntima. A partir desse evento, as vidas de Zack e Dante se tornam um inferno (com o perdão do trocadilho).


Zack precisa resolver o homicídio que, com o passar dos dias, reconhece ser ação de um serial killer, mas a atração que sente por Dante é tão grande que, em uma tentativa desesperada de se autopreservar e esconder quem ele é, transforma o dono da boate no principal suspeito e passa a perseguir o empresário, determinado a colocá-lo na cadeia.

Dante, por sua vez, percebe o perigo que está correndo porque, flagradamente, alguém está tentando incriminá-lo. Somado a isso, Zack lhe desperta sentimentos contraditórios, o desejo pelo homem e a repulsa pelo policial.


Até o fim, a história tem inúmeras reviravoltas, pontos de virada surpreendentes e, é claro, não é possível não se encantar pelo fofo Zack e não se apaixonar pela beleza maquiavélica de Dante. Afinal, pelo tempo que dura a leitura, todos nós somos transportados para o Inferno!



Agora, será que eles ficam juntos no final? Como isso acontece? Para ter essas respostas, vocês terão que ler. Tudo o que eu digo é que meu pobre coração ficou em estado de tensão constante, tanto pela expectativa do que iria acontecer, quanto pela tensão sexual absurda que envolve os dois personagens sempre que estão na mesma cena. Impressionante! Leia. Vale a pena!


O livro digital, vocês encontram, em inglês, na Amazon. Ponto positivo: preço acessível!


SOBRE A AUTORA

Infelizmente, não consegui encontrar nenhuma biografia da Scarlet Blackwell, porque a autora preza por privacidade. Isso pode acontecer com certa frequência, então não se surpreendam. Muitas autoras que escrevem romances homoeróticos utilizam pseudônimos para não serem identificadas. Algumas, inclusive, escrevem outros tipos de obra e os romances BL são uma segunda linha de produção.


Se você, que está lendo esta resenha, souber alguma referência bibliográfica da Scarlet Blackwell, por favor, compartilhe aqui nos comentários! A autora tem MUITOS livros do gênero e todos têm histórias bem estruturadas, com personagens adultos que fogem da perspectiva mais comuns, que abordam romances LGBTQIA+ na adolescencência ou faculdade, o que me interesse muito.


Se já leu o livro, deixe sua opinião. Boas conversas são sempre bem vindas!

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo